segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Dubai Airshow 2009

Em breve...

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Faith no More em SP

Um das minhas bandas favoritas e cujo vocalista tive a oportunidade de conhecer na minha adolescência foi oi Faith no More...Assisti-os no Rock in Rio....ammooo...veja o clipe em SP. Queria estar lá!

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Humor - Metrô de Dubai


A foto acima circulou em e-mail aqui em Dubai.

A menção à inauguração de somente parte das estações devido à recessão foi feita de forma bem humorada com a seguinte legenda.

Nos da Autoridade Estradas e Transportes (RTA) fizemos algumas modificações no Metrô de Dubai devido à recessão.

Convenhamos, lançar 10 estações num dia só não é pra qualquer um!

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Metrô de Dubai Um Momento Histórico - Inauguração


O assunto mais badalado desta semana foi a inauguração do Dubai Metro ou Metrô de Dubai. O projeto total foi fechado por um valor de US$ 12.45 bilhões com o consórcio DURL - Dubai Rail Link composto pelas empresas: Mitsubishi Heavy Industries, Mitsubishi Corporation, Obayashi Corporation, Kajima Corporation e a empresa turca Yapi Merkezi.
O Sheik Mohammed realizou ontem 09/09/09 (999 day) a cerimônia inaugural para um público seleto e hoje foi aberto ao público geral.



O bilhete custa AED 2,30 (R$ 1,15) por viajem na classe Silver ou AED 4,30 na classe Gold. Esta segunda conta com assentos de couro e espaço adicional para bagagem além de ser no primeiro vagão, o que dá uma vista privilegiada do trajeto já que o trem não tem operador e por isso o pára-brisa tem visão panorâmica.
Existe também um vagão exclusivo para mulheres e crianças com os assentos grandes e confortáveis. As classes separam-se por portas corrediças e os carros têm atendentes a bordo para orientar os passageiros.


Sentar-se em uma classe pela qual não pagou gera uma multa de AED 200,00 (R$ 100,00) e uma tabela com o título “Tabela de Tarifas e Multas" chamou a minha atenção na bilheteria. Curioso! Não é só uma tabela de tarifas as multas estão listadas no mesmo documento.

A linha vermelha recém inaugurada terá 29 estações das quais 24 elevadas, quatro no subsolo e uma ao nível térreo, e possui 52 km de extensão dos quais 5 km abaixo do solo. Nem todas as estações ficaram prontas, somente dez estão abertas. Estima-se que maior parte estará funcionando a partir de dezembro.



Prevendo o burburinho que a novidade causaria, embarquei às 18 horas, quando os muçulmanos vão se preparando para a oração e quebra do jejum do período do Ramadan. Neste horário, os fiéis que passaram do nascer ao pôr do sol sem comer vão orar e depois sentar-se à mesa da Iftar (como uma ceia natalina) e as ruas ficam mais vazias. A aposta foi certeira, pouca gente neste horário.


Embarquei no Mal of Emirates, para quem já ouviu falar é aquele shopping que tem uma estação de esqui dentro. Desci em quase todas as estações do trajeto e desembarquei no Terminal 3 do Aeroporto Internacional de Dubai. Fiz uma boquinha rápida aproveitando o desconto de funcionário em um fastfood e voltei ao ponto de partida. Imagino ter ficado aproximadamente duas horas dentro do metrô. A viajem foi agradável os trens têm um bom ar condicionado e aceleram e desaceleram com conforto.



Mas nem tudo foram flores no dia de hoje. Apesar de estar circulando experimentalmente 24 horas por dia desde o mês de maio, houveram alguns contratempos.
Pela manhã alguns passageiros que compraram o bilhete Silver, que funciona como o bilhete único de São Paulo, por AED 20,00 (R$ 10,00) e vem com crédito de AED 14,00 (R$ 7,00), porém no momento de passarem na catraca não havia crédito algum no bilhete. Um atraso de duas horas ocorreu devido à quebra de um dos trens deixando os passageiros ilhados entre as 9:55 às 11:55 da manhã.

Ao desembarcar no Mall of the Emirates terminada a viajem pude constatar que a multidão que se formou a partir das 22 horas não cabia nem na estação nem na entrada do shopping levando a polícia do metro a restringir o fluxo de passageiros que se amontoava à porta do shopping.
Muito compreensível, afinal o Mall of the Emirates é o preferido da cidade e a novidade histórica da abertura do metrô atraiu uma multidão enorme que, de acordo com os hábitos locais, adora comparecer à última hora.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Atingimos o milésimo leitor no Brasil!

Mais uma vez, muito obrigado aos brasileiros no Brasil pelo carinho e atenção e e-mails! Aos expatriados agradeço também! Desejo a todos toda a felicidade do mundo, felicidade esta que faz parte do destino de ser brasileiro. Aos irmãos por parte de nossa mãe, a Língua Portuguesa, a minha grande estima e consideração!

domingo, 16 de agosto de 2009

Fim "da" Semana.

Atenção para o "da". Na minha profissão não é "de" porque sabe-se lá quando a semana termina de verdade.
Estou cansado. E põe cansado nisso! Depois de mudar para o turno da manhã e assumir o vôo da Safi pra Kabul todo o dia, cheio de jornalistas da CBS, BBC, NBC indo cobrir notícias do Afeganistão e Fuzileiros, ONU, Cruz Vermelha e o escambau à bordo. E põe escabau nisso!
Prometo postar os detalhes com foto das celebridades que embarcaram. Mas please hoje não.
Beijo até segunda!

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

1600 leitores em 41 países.Obrigado mais uma vez!

Obrigado pelo carinho dos leitores. Já atingimos a marca dos 1.600, em 41 países. Nada mal!
Encontro-me no Brasil em dispensa médica por uns dias, o que me impossibilita de atualizar devidamente as páginas com as esperadas histórias do Oriente Médio e da aviação internacional. Na próxima semana prometo notícias.
Muito obrigado pela fidelidade.

sábado, 11 de julho de 2009

Você quer voar em pé?


A empresa irlandesa Ryanair anunciou a sua intenção de enviar um pedido aos fabricantes de aeronaves para um projeto de vaga para passageiros transportados em pé.

Conhecida pelo burburinho que suas extravagantes estratégias de marketing e contenção de despesas têm causado, esta companhia de perfil baixo custo também sugeriu entre outras medidas as seguintes:

  • Cobrança pelo uso dos sanitários à bordo, inclusive do papel higiênico, por um sistema de depósito de moedas como o das máquinas de refrigerantes. Ou seja, além do passageiro pagar ainda deverá ter troco exato para satisfazer suas necessidades fisiológicas básicas em pleno vôo.
  • Imposto de obesidade para quem está acima da média de peso.
  • Sobretaxar a passagem de quem levar sua própria comida à bordo.
  • Cobrar para acessar o website da empresa.
  • Cobrar para usar o chek-in do aeroporto. Quem não fizer chek-in pelo site pode pagar outra taxa para fazê-lo no aeroporto.
  • Sobretaxar métodos não preferíveis de pagamento (tudo o que não seja dinheiro vivo).
Aproximadamente 20% do lucro de €2,942 milhões (€598 milhões exatamente) vem de cobranças alternativas ao preço da passagem aérea. A revista britânica Holiday Which? classificou a empresa como pior inimigo do consumidor este ano por cobrar por itens opcionais inéditos.

Em Junho do ano passado seu presidente Michael O'Leary delcarou à imprensa alemã que sua business class não terá reduções de custo, ao invés, segundo literalmente disse, terá "camas e boquete". Constrangida, a tradutora recusou-se a interpretar o termo chulo e ele não satisfeito ainda insistiu se não havia palavra em alemão que traduzisse o vocábulo infeliz.Confira no vídeo abaixo.



Imaginem como devem sentir-se valorizados o funcionários da empresa. Além deste episódio a companhia também publicou um calendário no mesmo ano mostrando suas comissárias nuas. Quem voa sabe que, nessa profissão, lidar com o imaginário fértil do público sexualmente menos resolvido, constitui-se em desafio diário.

Pois é, quem acha que fica por aí a questão do pau-de-arara voador está enganado.
Além da iniciativa ter sido anunciada recentemente pela China Spring Airlines que também está estudando a opção, a Ryanair publicou uma enquete em seu website perguntando se o passageiro aceita voar de pé.

A estratégia para convencê-lo a clicar SIM é muito inteligente. A pergunta é se você aceita a voar de pé grátis. Depois perguntam se você voaria de pé por 50% de desconto. E por fim querem saber se você gostaria que os passageiros tivessem esta opção como acontecem nos trens e ônibus (convenhamos: que comparação triste).

Obviamente alguém que lhe cobra pelo papel higiênico nunca irá oferecer-lhe o vôo gratuitamente. Quanto aos 50%, lembram-se do bilhete estudantil? Assim que foi implementado o preço da entrada dobrou para que as entradas estudantis fossem vendidas por 50%. Trocamos o seis pelo meia dúzia e ainda lucraram com quem não é estudante.

Uma vez que o passageiro incauto clicar sim estará endossando a iniciativa da empresa. Ao fazê-lo dará ferramentas para pressionar a regulamentação aeronáutica internacional a ceder nas suas normas básicas de segurança.

Internacionalmente é proibido o transporte de pessoas em qualquer vôo durante pousos e decolagens e durante situações de instabilidade de vôo por motivos óbvios de proteção à vida.

Quanto a minha opinião de passageiro já me decidi. Só vôo com a Ryanair quando o senhor O'Leary empregar seus parentes imediatos como tripulantes.

E você? Quer voar de pé?

clique aqui e responda à enquete da empresa

sexta-feira, 3 de julho de 2009

1500 leitores em 39 países

Obrigado pelo carinho dos leitores. Já atingimos a marca dos 1.500, em 39 países. Nada mal para o blog que deveria postar duas vezes por mês. O fato é que o aumento na carga de trabalho do Aeroporto Internacional de Dubai tem me deixado pouco tempo pra mater a frequência.
Muito obrigado pela fidelidade.

A cultura do canudo

É triste saber que ainda se aplaude título na minha terra.
A graduação virou pompa, valorizando o título (canudo) mais do que o benefício que a fomação acadêmica traz.
Muitas vezes a função sequer necessita do conhecimento que o diploma concede.
Vê-se anúncios cobrando diploma em qualquer área! Certificado de inteligência?
É o Lobby da Academia infiltrando-se no mercado de trabalho, supervalorizando o produto oferecido das faculdades.
E a "academização" já chegou na aviação, quem diria. Esse ramo demanda estudo contínuo, esforço e dedicação constantes para manter-se atualizado. Os cursos realizados nas empresas são de altíssimo nível técnico. Ultimamente, no Brasil, exigimos Cientistas Aeronáuticos (Diploma de Ciências Aeronáuticas) para operar aeronaves.

O que há de errado com PILOTOS somente?Precisamos que sejam Cientistas?
Só para termos uma referência internacional os pilotos que desejam fazer MBA em Aviation Security ou Aviation Management tem o seu PC (habilitação de piloto comercial+experiência de carreira reconhecidos como nível superior e equiparados como título de graduação e podem iniciar-se no Mestrado.

Os cursos são convênio da Emirates Aviation College (Onde se treina simulador do A380) e da Edith Cowan University da Australia.
http://www.emiratesaviationcollege.com/aas/gen_info.html
Os cursos são financiados em 24 vezes sem juros pela Emirates (e o RH vive de olho nos formandos).

11 de setembro nos bastidores da aviação

Dois anos antes da tragédia...

Antes de a gente entrar no mérito político da questão, por favor, deixemos o Bush e o Bin "Você sabe quem" de fora do tópico.

Falando sobre aviação responderei a sua pergunta (senta que lá vem história):

Em 1999 fui convidado a um curso de Aviation Security em New Jersey, ciclo normal do treinamento para Ground Staff das empresas americanas. O curso era dado por uma empresa que presta serviço à todas da aviação do país, fundado por um ex-agente do Mossad, serviço secreto Israelense.

Na época nos vôos domésticos dos EUA não havia necessidade de triagem nas máquinas de raios x na entrada dos aeroportos e o escaneamento de bagagens domésticas na pista era aleatório, enquanto nos vôo internacionais a vigilância era integral somente na chegada.

Já em nossa base no Brasil tínhamos procedimentos rigorosos, que são os mesmos até depois dos atentados. Procedimentos da FAA inspirados em atentados anteriores e válidos na época somente para as bases internacionais.

Fiz uma pergunta ao instrutor: "_E se alguém pegar uma faca de cozinha e seqüestrar um vôo e jogá-lo no Empire State Building”. Por que é que eu fui falar? Só errei o prédio!

Ele nos disse que a segurança interna do país era responsabilidade do Department of Homeland Security (que compreende Imigração Serviço Secreto Alfândega entre outros - veja o link do organograma http://www.dhs.gov/xlibrary/photos/orgchart-web.png ) e que às empresas cabe a responsabilidade somente fora do território nacional americano.

Ainda lembro-me do comentário sarcástico do colega do fundão : “_Deixe estar jacaré, sua lagoa há de secar”. O mestre protestou pelo uso do idioma que ele não compreendia dentro da sala e nós continuamos a aula.

Esta doutrina foi reformada após os atentados e o escaneamento de bagagens de mão hoje é feito até nos vôos domésticos nos EUA. No início isso no início levou a aviação americana ao caos. Filas intermináveis nos aeroportos e reclamações dos passageiros geraram um efeito similar à implantação das portas detectoras nos bancos brasileiros.

O grande aumento do custo com a segurança refletiu-se na economia das empresas e no preço das passagens e a crise gerada com os atentados demandou subsídio governamental para que as empresas não quebrassem.

No fatídico dia...

Após o fechamento da minha base de CNF pedi uma promoção para Reservas onde estava havia três meses. Lembro-me que estava colocando o uniforme quando a rádio anunciou a primeira colisão. Para sair no horário deixei de ligar a TV para usar o aparelho da padaria próxima à minha casa. Quando vi a cena pasmei.

Lembro de comentar com o colega que também estava no local : "_La vai nosso emprego". E foi. Nós éramos os mais novos do departamento que encolheu absurdamente. Foram 15.000 demitidos mundialmente na minha empresa, quinze dias depois do governo americano assassinar a aviação recomendando para população , em cadeia nacional , que não saísse do país.

Seguindo para a central estávamos em alerta vermelho. Houve um apagão nas comunicações durante dois dias, não conseguíamos nem contato telefônico com a matriz devido ao colapso dos satélites. O mundo inteiro usando ao mesmo tempo congestionou a comunicação com o país.

Durante quatro dias seguidos não tínhamos sequer notícias de todos os vôos (nem qualquer outra empresa) o fechamento do espaço aéreo obrigou a grande maioria dos vôos internacionais a alternarem para outros países. Fatos curiosos aconteceram como o do vôo de Porto Rico que pousou em Toronto.

Tivemos notícias que na emergência muitos comandantes usaram até seus cartões de crédito para acomodar as tripulações em aeroportos onde a empresa não possuía acordo comercial. A empresa deu prioridade ao reembolso destes com urgência.

A linha parecia o C.V.V., parentes de passageiros emocionados uns chorando outros inconformados por não termos notícias os telefones não paravam foram os cinco dias mais estressantes da minha carreira.

No quarto dia já podíamos afirmar oficialmente que todos os vôos estavam em solo e seguros e que nenhum foi atingido, embora muitos deles não sabíamos exatamente onde foram pousar nem quando retornariam, pois o sistema ainda não fora completamente restabelecido. No quinto dia houve a abertura do espaço aéreo para retorno das aeronaves e restabelecimento do sistema.

O trabalho duro estendeu-se mês adentro até corrigirmos todo o caos burocrático que sobrou. Cancelamentos de vôo acumulados durante todos estes dias, milhões de bilhetes reembolsados e remarcações de reservas.Foi experiência pra uma vida espero não precisar aplicá-la nunca mais.

Armas à bordo

Na aviação brasileira não é permitido. Somente por policiais no exercício da função, com autorização por escrito da DPF e inspeção pelo agente de plantão que deve lavrar registro na delegacia. As armas devem estar desmuniciadas. Afinal, disparou à bordo a aeronave cai. Simples assim.

O chek-in coordena a identificação dos assentos dos passageiros que portam arma e comunica (através do flight manifest) à tripulação sendo proibido servir álcool a este passageiro. O cartão de embarque também deve ser marcado com código discreto e o oficial da lei deve ser auxiliado a embarcar de forma a evitar alarde indesejável.

É obrigatória a notificação ao próximo vôo, mesmo de outro transportador ,no caso de conexão.

Passageiros comuns não podem portar arma à bordo. Elas devem ser despachadas desmuniciadas em estojo apropriado.

Nas empresas americanas existe a figura do Air Marshal, funcionário do governo que presta segurança a bordo. Quatro deles embarcam armados em todos os vôos internacionais a paisana. Esta também foi uma regra criada depois dos atentados. O desembarque deles é garantido através de acordo bilateral conforme prevê a OACI.

Anteriormente somente policiais escoltando prisioneiros poderiam portar armas à bordo. Lembro-me de ter feito o embarque do presidente Bush o pai após seu mandato. Embacou em GRU. Os seguranças renderam o armamento que foi custodiado pelo comandante.

Veja a Instrução Normativa 8 de 03de Julho de 2002 (Da Polícia Federal)no link:

http://www.google.com/url?sa=t&source=web&ct=res&cd=5&url=http%3A%2F%2Fwww.mariz.eti.br%2FIN%252008_02_DG_DPF.htm&ei=KvcOSo7vIMqPmAffw-jxBw&usg=AFQjCNFH0dOKzhaIXvJYkTvn-pDhcKa37A&sig2=GpVho8nH6dRmjYV7i8QuRg

Ou Portaria No26/GC5, DE 9 DE JANEIRO DE 2003 do MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDO DA AERONÁUTICA que traduz literalmente o anexo 17 da Convenção Internacinal de Aviação Civil

http://74.125.113.132/search?q=cache:89IkD6Dk-_4J:www.anac.gov.br/biblioteca/portarias/port0026GC5.pdf+RESOLU%C3%87%C3%83O+A22-17&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=us&lr=lang_pt&client=firefox-a

Ou o próprio Anexo 17 em inglês (excelente fonte de consulta em AVSEC)

http://www.scribd.com/doc/5509603/Annex-17-ICAO

Air Marshalls detendo o Passageiro à bordo






sexta-feira, 26 de junho de 2009

Esqueceu Meio Milhão no Aeroporto de Dubai

A existência de petróleo no Azerbaijão, país da antiga União Soviética, tem gradualmente atraído investidores e corporações que regularmente voam a partir de Dubai para concretizar negócios na capital Baku.

Onze horas da noite, Aeroporto de Dubai, área de check-in lotada, vôo nem tanto.

Um passageiro apresenta-se no balcão da classe econômica que no momento tinha uma pequena fila. O jovem de aproximadamente 30 anos, nacionalidade indiana, vestido casualmente entrega seu passaporte e bilhetes para o agente do chek-in, despacha a sua bagagem, recebe os cartões de embarque e segue para o Duty Free enquanto a chamada para o vôo não foi anunciada.

Ao inspeccionar a frente do balcão olho para baixo e lá estava o volume. O cavalheiro havia deixado cair uma pasta de plástico transparente que evidenciava somente algumas folhas de papel e cópias de documentos. A folha de cima era a cópia de seu passaporte.

Uma rápida olhada na lista do voo foi fácil identificá-lo. Uma mensagem para o agente de embarque foi imediatamente enviada pedindo para que informasse ao passageiro que aguardasse na sala embarque pois os documentos encontrados no chek-in lhe seriam entregues pelo supervisor do vôo.

Um segundo exame e veio a surpresa: A pasta também continha quatro cheques assinados e em branco, timbrados pela empresa da qual ele era funcionário. O valor: MEIO MILHÃO de Dirhams (quantia aproximada), mais ou menos duzentos e cinquenta mil reais. Whallah! Pensei: Agora ele não vai se apresentar, vai ficar procurando os cheques até encontrar. Passaram-se poucos minutos e a agente do portão comunicou via rádio a apresentação do passageiro. O embarque já havia começado e o mesmo ainda nem havia notado a falta de sua pasta.

Pedi ao representante da empresa aérea e à funcionária do embarque que testemunhassem a entrega. Quando cheguei ele assustou-se com a notícia, sorriu meio sem jeito e pediu desculpas. Disse-lhe que não havia do que se desculpar, pedi que embarcasse e desejei-lhe bom vôo. Indiscretamente a funcionária do portão interrompeu ao melhor estilo árabe local: "_O senhor não vai mandar-lhe um e-mail de agradecimento? " E a moça foi anotando meu e-mail num papelzinho e deu ao passageiro. Pedi desculpas pela indiscrição e encaminhei-o para a aeronave.

O vôo partiu e saímos todos para concluir as obrigações pós embarque. "_Ele nem vai mandar nada você vai ver. Se fosse reclamação já teria chamado os fiscais" disse a moça." Disse-lhe que era provável que sim mais que o valor está em dormir tranquilo depois do expediente.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Traição literária

Perdoe me querido leitor pela traição literária. É esgotei o meu tempo postando em outros lugares.

Tenho me divertido com os colegas das comunidades de Aviação. A minha favorita no Orkut chama-se Aviação - Papo de Piloto. É do Comandante Ruy Flemming ex-Esquadrilha da Fumaça.

Como a comunidade se auto-define, é como uma revista gostosa de ler. É uma alegria poder participar deste espaço descontraído, com a minha humilde opinião em meio a pilotos da elite da força aérea e da aviação civil. Não sei como o Comandante Flemming foi aceitar um cidadão tão ruidoso na comunidade....Haha!

Como os leitores bem sabem eu não sou piloto. Sou "perú" como versa o jargão do Aeroclube de Sorocaba, onde saltava de pára-quedas. Perú, meus caros é ave que não voa. Assim se definem aqueles da aviação que trabalham em solo mas sem os quais o vôo não sai.

Aqui duas postagens uma sobre armas à bordo e outra sobre a minha experiência no 11 de setembro.

Outra comunidade que também gosto é Aviação Com Ética. Esta postagem Aqui no tópico sobre empresas aéreas fala sobre a supervalorização da formação acadêmcia em funções onde ela não é necessária.

E por último mas não menos importante o site Meio Aéreo onde por enquanto só dou palpite nos tópicos, mas sou fã do cliping super atualizado.Como trabalho na aviação aqui do outro lado do planeta, os clippings sobre a aviação brasileira são preciosos para a minha atualização. Eles não perdem uma notícia.Excelente! Vou passar a linkar o site. Montei uma página pessoal bonitinha lá.

A última das últimas é que depois de amanhã entro de férias, então preparem-se para o apagão.

O itinerário pretende incluir SP, Cananéia, Salvador e Londres. Durante este período se tiver outro surto literário, pretendo concluir a matéria sobre o vôo do Bangladesh o qual venho acumulando material de vídeo e fotos para uma longa e curiosíssima história.

Até a próxima.

Bjs das arábias!

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Toda nudez será castigada

Depois de muito tempo com preguicite literária resolvi desenferrujar o blog. Nada melhor do que um assunto picante do tipo "Ah esse não pode passar em branco!". Pois é, esse aqui não vai meesmmo!

A notícia fresquinha foi a Dani da comunidade Brasileiros em Dubai quem publicou.

Ontem às 02:30 da tarde um cidadão passeava altivo, faceiro e peladão da silva na Itihad road, em frente ao Dubai Creek Golf and Yatch Club que fica aos fundos do Deira City Center no coração de Dubai, caminhando sobre o guard rail central da avenida.

Segundo a fotógrafa não bastaram dez minutos para o cordial convite das autoridades para um city-tour na viatura (Modéstia à parte um Nissam Patrol) e, é claro, um papo amigável com café e tâmaras ao melhor estilo árabe local na delegacia.

O saltitante malabarista urbano, já privado de suas vestes, deve também ter sido despojado de sua pele depois da sova no aconchegante ambiente carcerário onde deve hospedar-se nos próximos dias até a opinião pública dar-se conta de sua existência (Se der conta).

Segundo as autoridades locais, aproveitaram-se do fato de tê-lo recolhido em frente ao Yatch Club para mostrar-lhe com quantos paus se faz uma canoa e se o mesmo não apresentar nenhum passaporte de algum país influente da Comunidade Européia ou da América do Norte para garantir a sua extradição, periga o indivíduo ser agraciado com uma cortesia de até 365 diárias no Jailhouse Desert Resort com todas as despesas pagas, excetuando-se o bilhete de deportação ao fim da estadia.

Embora Dubai seja uma das mais liberais cidades islâmicas... Well ...The hole is a little under my dear!

Pasme com a foto! (clique para ampliar)

domingo, 8 de março de 2009

Dia Internacional Mulher

Aqui registro minha homenagem a estes seres únicos, capazes de receber no interior de seus corpos os novos seres que neste mundo chegam.

Uma vez ouvi de um sábio mentor que a concepção existe para que possamos aprender a amar.

A data, criada em 1975, não visava comemorar e sim valorizar o papel feminino na sociedade mundial.

Parabéns àquelas que levam a incumbência de perpetuar a sensibilidade, intuição, solidariedade e o amor no gênero humano.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

The Beast in Dubai na Sexta Feira 13














I left alone, my mind was blank....

I needed time to think to get the memories from my mind.


Sai sozinho, minha mente estava vazia, precisava de um tempo para tirar as memórias da minha mente. The Number Of The Beast (tradução)


Estas palavras foram escritas por Bruce Dickinson, vocalista do Iron Maiden após receber a tarefa de compor durante o seu teste para entrar na banda ("_Vai la fora e escreve alguma coisa."Disseram seus colegas de banda). Esta estrofe descreve bem o estado que deixei a casa de minha amiga rumo à minha após chegar do show do Iron Maiden em Dubai. Sai pasmado, uma mistura de transe e alegria, e até agora estou encadernando as idéias para poder publicá-las.


Os leitores deste site que estão acostumados à descrição do quotidiano aeroportuário ou da vida em Dubai irão achar esta postagem diferente. Não era pra menos, prever os múltiplos gostos dos geminianos é tarefa impossível.


Quem já me conhece a mais tempo sabe da minha paixão por Rock em especial Heavy Metal. E também sabe da minha visão de que um show de Heavy Metal acontece não só em cima do palco mas começa fora do estádio, a partir da entrada, a multidão, os fãs e os cenários aos quais assistimos que formam um show à parte e, finalmente, o espetáculo sobre o palco.


Este show começou às quatro da tarde com a abertura do Dubai Media City Amphyteather, no coração da cidade, cercado pelos arranha-céus enormes. A organização excelente, sanitários limpos, restaurante requintado (especializado em cordeiro assado com uns pufs lindos pra sentar) .No quiosque de laricas, batata frita, frango assado e shawarma ( sanduba árabe com pão sírio e recheio de frango ou carne, conhecido no Brasil como churrasquinho grego. É, aqui eles adoram aquela coisa rodando no espeto que depois é fatiada e enrolada no pão). O "brecinha" tava 182 reais pista e 368 area VIP ( uma gaiola em frente ao palco).


Cheguei ao estádio "atrasado" o show começava às nove cheguei às oito, mas depois dos amigos que combinei de encontrar. A Ana Karina, já famosa pelo site Ah! Libanesa e o Rui, agora famoso pelo vídeo que fez da Angelina Jolie (ele que cedeu o video deste show) embarcando para Kabul aqui em Dubai.


Até então Dubai me pareceu uma cidade fria, onde as pessoas se relacionam somente à negócio, trabalho ou satisfação das necessidades físicas (transar - não chamo isso de sexo). Os arranha-céus cercam a cidade de luxo e a ostentação é o maior hobby da população abastada. Lá dentro era diferente. A galera era das mais variadas, haviam pessoas de todos os países do mundo. . Misturavam-se rockers e patricinhas, HOGs (moto clubes de Harley- motociclistas de boutique) e motociclistas e nacionalidades variadas num lugar que parecia um pátio gramado em meio a arranha-céus absurdamente grandes.


Chamou-me a atenção um grupo de Omanis (de Omã sei lá como se fala em português, em árabe é assim). O pessoal me perguntou se eu era do Brasil (estava usando minha jaqueta do moto clube com a bandeira e meu nome bordados). Um deles me falou que conhecia a galeria do rock e adorava Sepultura, bati uma foto da turma. Fotografei também os Iraquianos, lá no país deles os grupos de fanáticos perseguem a galera do metal e eles não podem manifestar-se livremente.


este que vos escreve que saiu de casa com problemas, mecânicos na moto, largou a bandeira para trás. Qual foi a minha admiração quando um grupo de alemães (e alemãs!) me abraçou, "_Você é do Brasil? Rock in Rio! Primeira ve que não ouvi futebol ou Pelé (gosto dos dois mais confesso que preferi o Rock in Rio) os russos bateram fotos comigo (prometeram enviar-me).

Os Iranianos também trouxeram uma bandeira onde estava escrito Iran com as letras do Iron. Ficou legal à bessa. O lugar esbanjava calor humano. Pois é, o Rock não tem fronteira.



A abertura do Show ficou por conta da filha do contrabaixista do Iron, Lauren Harris. Excelente presença de Palco, me pareceu um doce de garota. Deixou a marmanjada babando. O Iron? Bem o Iron foi...foi...pronto me emocionei de novo! Foi lindo. Chorei de tanta alegria. Foi cruel a notícia dada por Bruce Dickinson de que ouviremos as músicas mais antigas pela última vez ao vivo nesta tour. No fim do show o Rui e a Ana conseguiram a pele da bateria do Nicko Mackbrain, autografada e a palheta do Adrian Smith.

Screem for me Dubaiii. Ainda está ecoando nos meus ouvidos!

VEJA AQUI A MINHA MATÉRIA NA REVISTA DYNAMITE


Long live to the Maiden!

video

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Recebendo 2009 No Dubai International Airport


Queridos leitores, desculpem-me pelo atraso nas postagens. O ritmo alucinante do fim de ano e os preparativos para as férias me fizeram deixar o blog de lado um momento, mas agora retomo de onde parei.

Logo ao despertar, na véspera do ano novo, abri a página do Gulf News na internet e deparei-me com a notícia incomum: "Residentes de Dubai acolhem a decisão de receber o ano novo com sobriedade". Devido aos ataques em Gaza sua alteza o Shaikh Mohammad Bin Rashid Al Maktoum ordenou o cancelamento de todas as formas de celebração do ano novo em solidariedade aos palestinos.

Mas nem todos os residentes acolheram tão bem assim esta decisão. De imediato liam-se comentários de nossos compatriotas tupiniquins nas comunidades do Orkut em protesto contra tal medida, uma vez que foi proibido o come, bebe e sei lá mais o quê de fim de ano como é de costume em nossa nação. Essa notícia foi dada também em primeira mão no site da Karina o Ah! Libanesa, onde deixei um comentário informal (leia-se esculhambada) que traduz a seguinte idéia:

Muita gente ficou ressentida por perder a sua reserva no hotel de luxo e abdicar dos excessos desta época do ano, mas se formos refletir a legitimidade do decreto: Não é o dia primeiro de Janeiro mundialmente conhecido como Dia da Fraternidade Universal? Existe solidariedade maior do que o respeito devido àqueles que passam agora por momentos de crise? A maioria de nós imagina ser o primeiro dia do ano um festival de excessos distanciando-se do real significado da data: fraternidade.

Como de costume na vida do aeroportuário, feriado é dia de trabalho. Quarta feira, 31 de Dezembro de 2009, o dia mais mole da minha escala semanal. Expediente de seis horas somente, das 22:00 às 04:00 no vôo para Atenas da Olimpic Airways, companhia aérea estatal grega.

O pequeno Boeing 737-400 com seus 16 assentos na business class e 102 na econômica estava tranqüilo, somente metade da capacidade reservada. Foram-me designados somente dois funcionários no check-in e um na área de conexão interna dos portões conhecida como transfer desk, que acolhe os passageiros em conexão internacional que não saem do aeroporto durante o trânsito. Havia muitos passageiros com conexões de Atenas para JFK New York, por isso recomendei à equipe que tomasse cuidado adicional na verificação e inserção de dados de passaporte como requerido pelo governo americano. As multas da FAA (Federal Aviation Association) são da ordem de US$ 2.000,00 por passageiro que nos esquecemos de inserir no sistema de imigração americano antes da partida dos vôos.

Logo na entrada do briefing room meu celular tocou. Atendi e recebi os votos de feliz ano novo da Karina e iniciei a noite mais alegre. Embora este não seja o primeiro nem o último ano novo nos aeroportos do mundo a gente sempre fica com a cabeça nos amigos e parentes nesta data.

Segui para o escritório da Olimpic onde um senhor de um metro e noventa com uma barba de quase meio metro que deixa até Moisés com inveja me recebeu (Se ele autorizar eu reedito a postagem com a foto dele). Alegre como sempre o Sr. Firoz indiano de Bombay iniciou o briefing do vôo. Lembrou-me dos passageiros com conexão para Madrid e dos incidentes que ocorrem com alguns devido a excesso de peso na bagagem de mão e pediu-me para ficar alerta.

Uma das vezes que fiz este vôo uma senhora tentou embarcar com quatro bagagens de mão pesando cada uma sessenta quilos, lotadas de telefones celulares. Tivemos que impedir seu embarque. Essa prática viola as normas de segurança de vôo pois as bagagens pesadas podem abrir os compartimentos e cair sobre os passageiros causando ferimentos. Em 1998 a bordo de um vôo da TWA uma passageira faleceu porque uma bagagem pesada caiu sobre sua cabeça.

O chek-in abriu no primeiro minuto de 2009 uma vez que o OA346 partia às 03:00. Iniciamos com um feliz ano novo aos passageiros e tudo ocorreu conforme previsto. No momento do fechamento apareceu a senhora das malas, aquela que negamos o embarque da outra vez. Como era de se esperar trazia mais bagagem do que o permitido e quando me viu retornou com as bagagens para fora do aeroporto onde outra pessoa as levou embora. Estratégia frustrada, ela bateu em retirada para a segurança de todos e depois embarcou sem bagagens de mão.

Mais uma vez, como no Natal, foi anunciada neblina após as 03:00 e meu vôo partia às 03:00. Conseguimos reunir os passageiros com boa antecedência e o OA346 partiu com vinte minutos de antecedência.

Na estrada as 04:00 da manhã a neblina estava impossível. Embaçava meu capacete e meus óculos obrigando-me a reduzir a velocidade e sinalizar o alerta. Cheguei cansado mas tranqüilo, com a sensação de dever cumprido no primeiro dia deste ano de 2009.